Cirurgia Conservadora (ou Quadrantectomia ou Setorectomia)

Cirurgia Conservadora

Realizada para tratamento do câncer de mama.

A técnica da cirurgia conservadora revolucionou a história da mastologia. Substitui a ideia de que o tratamento do câncer de mama precisa ser localmente agressivo para ser oncologicamente seguro. O principal objetivo do tratamento conservador, além do controle oncológico adequado, é a manutenção da estética corporal.

Estudos realizados nas décadas de 1970 e 1980, comprovaram que a realização da cirurgia conservadora seguida por radioterapia não altera a mortalidade, embora ocorram maior número de recidivas (retorno da doença) locais que na mastectomia radical. Atualmente, a taxa de recorrência local após a cirurgia conservadora é de 0,5% ao ano.

Sabemos que a recidiva local não altera o prognóstico (o que pode acontecer no futuro da doença), sendo considerada marcador de risco que demonstra a biologia agressiva daquele carcinoma.

E quando pode ser realizada a cirurgia conservadora?

  • Quando há segurança oncológica ( significa a presença de margens livres após a retirada do tumor, ou seja, o tumor foi retirado e ao seu redor não existe mais doença);
  • Quando o resultado estético após o procedimento for favorável;
  • Quando a paciente pode realizar radioterapia após o procedimento;